+
ico-maispiordebom-regrasico-maispiordebom-noticiasico-maispiordebom-duvidasico-maispiordebom-chatico-maispiordebom-descontracaoico-maispiordebom-aulasescolaresico-maispiordebom-receitasico-maispiordebom-celularico-maispiordebom-jogosappsjavaico-maispiordebom-assistirfilmesanimesico-maispiordebom-tutoriaisico-maispiordebom-bibliaico-maispiordebom-protetoresdetelaico-maispiordebom-papeisdeparedeico-maispiordebom-musicasico-maispiordebom-emuladoreseronsico-maispiordebom-nintendoico-maispiordebom-sonyNOME_ICONEico-maispiordebom-jogosflashico-maispiordebom-webdesignerico-maispiordebom-hardwareico-maispiordebom-sistemasoperacionaisico-maispiordebom-downloadico-maispiordebom-cubeecraftico-maispiordebom-espacomulherico-maispiordebom-horoscopoico-maispiordebom-fisioterapiaico-maispiordebom-medicinaico-maispiordebom-esportes

Gastrite

Tem muita gente por aí dizendo que “sofre de gastrite”. Será que realmente é verdade?!

Temos que ter em mente, antes de tudo, que gastrite não é um sintoma, mas, sim, um diagnóstico e, por isso, só podemos dizer que “sofremos de gastrite” quando ela é comprovada através de uma biopsia gástrica.

Então, o que essas pessoas realmente querem dizer é que sofrem com os chamados sintomas dispépticos (que serão explicados adiante), os quais, muitas vezes, podem ser indicativos de uma gastrite ainda não diagnosticada.

Vamos agora entender um pouco mais sobre a gastrite:

Gastrite é a inflamação da mucosa gástrica, representando a resposta do estômago a alguma agressão.

O estudo da gastrite é difícil porque, mesmo com alterações acentuadas da mucosa, ela pode ser assintomática ou não ter aspectos radiológicos, gastroscópicos ou sorológicos específicos, justificando, assim, o fato de ser um diagnóstico essencialmente histopatológico (ou seja, conseguido através da biopsia gástrica).

Essa patologia pode apresentar-se na forma aguda ou crônica e pode ocorrer devido à inúmeros fatores, dos quais podemos citar os tipos mais comuns da gastrite, que são:

- Gastrite Aguda de Etiologia Viral: Geralmente causada pelo citomegalovírus (CMV). O paciente apresenta dor epigástrica, febre e linfocitose atípica. Pode-se observar na Endoscopia digestiva alta uma mucosa gástrica hiperemiada e múltiplas úlceras. Observem a figura endoscópica!



- Gastrite Aguda de Etiologia Hemorrágica: Pode ocorrer devido à grande cirurgias, queimaduras graves, fraturas múltiplas, ocorrendo erosão e úlceras na mucosa gástrica.



- Gastrite Crônica Causada pelo H. pylori: corresponde a 95% de todas as gastrites crônicas, sendo causada por uma bactéria que coloniza a mucosa gástrica denominada Helicobacter pylori (essa bactéria merece um post só para ela! Aguardem!). A maioria dos pacientes que apresentam gastrite com essa etiologia são assintomáticos.



- Gastrite Crônica de Etiologia Auto-imune: Geralmente é assintomática, ocorrendo devido à auto-imunidade provocada por anticorpos anticélula parietal (ocorre uma auto-destruição). O paciente pode apresentar anemia perniciosa e, ao exame endoscópico, os vasos submucosos são visíveis.







A gastrite aguda é geralmente uma condição transitória, persistindo por um breve período de tempo. Aspectos como edema, erosões, hemorragias são comuns. Já a gastrite crônica é uma condição inflamatória da mucosa gástrica que pode afetar diferentes regiões do estômago e exibir graus diferentes de lesões da mucosa. Seu principal fator causa, o Helicobacter pylori, tem um longo período de latente infecção subclínia, durante o qual ele causa gastrite e dano da mucosa. Tipicamente, embora presente no antro e no corpo do estômago (observe as regiões do estômago na figura abaixo), esse microrganismo é mais comum no antro.


Bom, será que a explicação foi suficiente? Vamos esclarecer algumas dúvidas freqüentes!

Quais são os “sintomas dispépticos”?

- Dor e queimação epigástrica;

- Empachamento (o paciente tem a sensação de estômago cheio);

- Peso epigástrico pós-prandial (paciente tem sensação desconfortável de peso no estomago após a reifeição);

- Saciedade precoce (paciente não come o suficiente, mas tem a sensação de estômago cheio);

- Eructações (flatulência);

- Náuseas.

Como é feita a biópsia gástrica?

A biopsia gástrica é realizada através da Endoscopia Digestiva Alta, um exame no qual é inserido um tubo com uma câmera embutida (o endoscópio) no trato gastrointestinal superior do paciente através da boca, sendo possível se observar todas as regiões internas do trato gastrointestinal superior. O exame é realizado com o paciente sedado e o endoscópio deve penetrar pela boca e chegar até a parte superior do duodeno. Durante o exame, são retirados fragmentos da parede estomacal (biopsia) para ser realizado o exame histopatológico, quando se quer confirmar o diagnóstico de gastrite, e para ser realizado o teste da uréase (que será explicado posteriormente), quando se quer investigar presença de H. pylori.

O que é o Teste da Urease?

Em virtude da facilidade, rapidez, baixo custo e eficiência, o teste da urease pode ser considerado o recurso mais importante para o diagnóstico da presença do H. pylori na prática diária. Consiste na colocação de um fragmento da mucosa gástrica (geralmente retirado da região antral) em frasco contendo uma solução de uréia e vermelho fenol, um indicador de pH.

Tem-se resultado positivo, quando a solução muda de cor em até 24 horas, passando de amarelada apara avermelhada.

E o tratamento da gastrite?

O tratamento da gastrite crônica consiste em tratar os sintomas dispépticos apresentados pelo paciente. A erradicação do H. pylori deve ser realizada em indivíduos infectados (casos de gastrite crônica causada pelo H. pylori) segundo os esquemas terapêuticos atuais.

Esses esquemas terapêuticos são diferentes em cada país, porém, já se tornou consensual a utilização combinada de apenas dois medicamentos não deve ser utilizada, pois não é mais eficiente. No Brasil, são utilizados três esquemas terapêuticos e a escolha é feita pelo médico com base no quadro clínico de cada paciente.

- Durante 7 dias: Inibidor da bomba de Prótons(IBP, que pode ser o famoso Omeprazol) em dose padrão 1x/dia em jejum + 1g de amoxicilina + 500mg de claritromicina, 2x/dia;

- Durante 7 dias: IBP em dose padrão, 1x/dia em jejum + 500mg de claritromicina, 2x/dia + 200mg de furazolidona, 3x/dia;

- Durante 7 dias: IBP em dose padrão, 1x/dia em jejum + 200mg de furazolidona, 3x/dia + 500mg de cloridrato de tetraciclina, 4x/dia.

3Respostas até agora.

  1. KaTcHuca disse:

    Muito Bom, minha noiva tem gastrite não sei qual é, esses três tipos de tratamento serve para todas as gastrites? ou é recomendada uma para tal sintoma apresentado?
    Belo post de parabéns mesmo.

  2. Esses três tratamentos são para tratar somente a gastrite causada pelo H.pylori, o medico escolhe um dos três, dependendo do paciente.
    Nos outros tipos de gastrite, a gente trata os sintomas que o paciente apresenta! Se a gente não sabe ainda qual é o tipo de gastrite dela, temos que investigar para saber se ela tem ou não H.pylori. Se ela não tiver, aí a gente trata somente os sintomas que ela sentir!

  3. KaTcHuca disse:

    Saquei, obrigado vou levar ela no medico pra vê se é o H.pylori.

Deixe o seu comentário:

Poste aqui seu comentario se gostou do post acima!

Topo da pagina.